100 máscaras, mais proteção

Por Camilla Kuribara

                O ano de 2020 foi afetado por uma grande pandemia, a COVID-19, que mudou a vida de muitas pessoas. Durante a quarentena, a ideia do projeto já estava vindo à minha mente, mas apenas quando meu pai veio com uma proposta o projeto realmente foi colocado em prática.

Dessa forma, no dia 10 de julho de 2020 eu comecei o projeto para a Insígnia de Ação Comunitária. Meu objetivo era costurar pelo menos 100 máscaras para poder doar para aqueles que precisam. A primeira etapa foi realizar uma pesquisa para ver os melhores tecidos para utilizar na máscara. Em seguida, tivemos que ir comprar os mesmos. Com as lojas de tecidos fechadas por cauda da pandemia, ou comprávamos pela internet ou esperávamos as lojas voltarem a abrir. Para a nossa sorte, uma semana depois as lojas voltaram a funcionar e pudemos ir até a loja para poder ver a qualidade dos tecidos e assim saber exatamente qual comprar.

A produção das máscaras começou umas duas semanas após o início do projeto e continuou até dia 3 de setembro. Durante o processo, minha vó me ajudou a cortar os tecidos e medir as coisas enquanto eu costurava. Meu pai foi atrás de lugares para doar e encontrou um grupo voluntário chamado Rango de Rua.

O Rango de Rua é um projeto de grupo de voluntários que aos sábados, ou mesmo durante a semana, distribui marmitas e bebidas para moradores de rua de Curitiba. Entramos em contato com eles e descobrimos que estavam aceitando doações de máscaras. Como achamos o projeto interessante, fomos conhecer, doar e ajudar. Eu e meu pai fomos no dia 05 de setembro, um sábado, ajudar na entrega de marmitas e aproveitei para fazer a entrega das máscaras que havia produzido. Consegui entregar todas.

Foi uma forma que encontrei para praticar um dos ensinamentos de Baden Powell: “Deixe o mundo um pouco melhor do que o encontrou”. Sempre Alerta!

2 comentários em “100 máscaras, mais proteção”

  1. Inspirador o projeto da Camila. Se às vezes pensamos que o mundo não tem jeito… vendo isso, dá para dizer: tem jeito, sim!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *