MutCom GESD 2021

O MutCom é o “apelido” que damos ao Mutirão Nacional Escoteiro de Ação Comunitária. É uma atividade de mobilização nacional que tem por objetivo promover a integração e a colaboração dos Escoteiros do Brasil com a sociedade.

O Grupo Escoteiro Santos Dumont realizou diversas atividades vinculadas ao MutCom em 2021 e uma delas foi muito especial, pois envolveu todo o Grupo.

Recentemente as manchetes dos jornais foram dominadas pela situação delicada no Afeganistão.  Sensibilizados pela dor de muitos afegãs, nosso Grupo se somou à campanha de arrecadação de produtos de higiene pessoal, liderada pela Igreja Presbiteriana de Curitiba, que irá receber 10 famílias refugiadas, em torno de 110 pessoas.

Durante o mês de setembro a Família GESD recebeu as doações. O resultado foi um sucesso: 214 escovas de dente; 293 pastas de dente; 416 sabonetes; 153 shampoos/condicionadores e 136 outros itens. No dia 9 de outubro alguns jovens, escotistas e pais fizeram a entrega na sede da Igreja, no centro de Curitiba.

Estar “Sempre Alerta” para ajudar o próximo: esse é o nosso lema e o nosso compromisso! Nosso desejo é que as famílias afegãs que virão à Curitiba sejam bem recebidas e que possam reconstruir suas vidas com amor e paz.

GESD prepara Festa Julina e Fogo de Conselho

No dia 3 de julho de 2021 a Família GESD se reuniu para um encontro especial: Festa Julina e Fogo de Conselho. A atividade marcou o encerramento do semestre, mas também, marcou a fraternidade escoteira que nosso Grupo constrói há quase 63 anos.

Todas as bandeiras foram hasteadas para a abertura geral, afinal de contas, é justo comemorar que, apesar da pandemia, nosso Grupo manteve ativa suas atividades. Como toda boa festa julina, teve bingo, com direito a “prenda” para os que fizeram cartela cheia – famílias Kalluf, Pedrón e Zinher adoraram os brindes!!!

Sem comida não é festa, não é mesmo? Por isso uma base, bem docinha, foi especialmente dedicada para a preparação de uma pipoca mateira. E finalmente, uma base bem artística, garantiu as lanternas que utilizamos para a segunda parte da nossa atividade.

Nosso encontro concluiu com um Fogo de Conselho, que iniciou com várias mensagens de carinho do “Correio Elegante GESD”. Além disso, demos boas risadas com a esquete, preparada por jovens de todas as seções e escotistas, que nos ajudou a relembrar que apesar de o escotismo ser bem velhinho (já são 104 da fundação por Baden Powell) nossa promessa escoteira nunca sai de moda, jamais será “cringe”. E claro, para reforçar que acreditamos que logo estaremos juntos, nossa noite encerrou com a Canção Despedida ao som do violão e da gaita de boca, um presente dos chefes Giovanni Pedrón e Osmar Ponchirolli e do escoteiro Henrique Pedrón.

Agora, vamos recuperar energias e renovar esperanças de que logo estaremos pertinho e fazendo tudo que mais gostamos no escotismo: acampar, brincar, fazer amigos…

Slide do PowerPoint que possui todas as bandeiras do grupo.

Minha jornada de travessia

Por Valéria de Pedro Barbosa

Sabemos que neste tempo de pandemia as coisas não tem sido fáceis e as atividades que fazíamos tiveram que ser adaptadas. É óbvio que não é a mesma coisa mas se cada um fizer a sua parte e tiver boa vontade, podemos tirar proveito delas e nos divertir neste momento delicado.

A minha jornada de travessia, que aconteceu nos dias 18 e 19 de setembro desse ano não foi diferente. Sendo a última etapa para a Lis de Ouro, eu tinha muitas expectativas, e eu garanto que não podia ter sido mais especial.

Mesmo ela tendo sido dentro da minha casa em vez de uma trilha ou no meio do mato, foi um tempo muito bom para relembrar o tempo em que eu estive na tropa Senta a Pua, de agradecer por todas as aventuras que vivi, de lembrar do valor das minhas amizades e o quanto elas são importantes pra mim.

Foi uma jornada um pouco diferente do que eu esperava mas superou em muito as minhas expectativas. Ao longo dela, (graças ao trabalho incrível que a minha chefe assessora Carol fez) eu fui abrindo cartas a cada horário com tarefas pra fazer e eu amei todas, foram super especiais. Pela primeira vez eu fiz uma paella, que é o prato típico do meu país, e passei um tempo muito bom com meu pai.

QUARENTENA

Por Alice de Souza Rocha e Murilo de Souza Rocha

Devido ao Corona vírus, qualquer atividade que requer aglomeração de pessoas em lugares fechados foi suspensa e as recomendações exigem que evitemos sair de casa sem um motivo de extrema necessidade. Porém, mesmo de quarentena, as atividades do escoteiro não pararam e os chefes estão a todo vapor para proporcionar as atividades online para os jovens não ficarem à toa em casa.

Algumas das atividades são como danças de rede social (tik tok). Também fazemos atividades em chamada de vídeo com nossos parceiros de patrulha fazendo músicas escoteiras , gravamos vídeos completando músicas que os chefes da nossa sessão nos propõe, desenhamos o  nome da patrulha cada um fazendo uma letra com o nariz.

Jogo da cidade virtual – Minha patrulha pelo mundo

Por Mariana de Castro Estevam

Estamos em casa, mas isso não nos impede de ter a nossa rotina normal do fim de semana, não é mesmo, escoteiros? E no sábado dia 02 de maio tivemos o Jogo da Cidade Virtual!

Isso mesmo, foi um jogo da cidade de forma virtual, tendo a participação de 110 jovens, 25 patrulhas, organizadas em 19 equipes, e 21 escotistas! Muita gente!

Participaram as tropas escoteiras Titan, Senta a Púa e Fênix do GE Santos Dumont, Escorpion do GE Pedro Macedo, Cosmos do GE Marechal Rondon, Tapejara do GE Tapejara e a tropa Ninho das Águias do GE Ar Thalia.

A atividade consistia em uma competição entre patrulhas, bem divertida! A chefia se superou ao elaborar as atividades, que estavam muito interessantes. Foi muito legal conhecer outros escoteiros, principalmente para mim, que estou em período introdutório na tropa Titan.

As bases foram espalhadas pelo mundo, com o tema história e curiosidades sobre o escotismo!

A aventura começou pela Ilha de Brownsea, onde recordamos o primeiro acampamento escoteiro, conhecemos a pedra comemorativa e ainda “reinventamos” os artigos da lei escoteira com emojis. Seguimos para o continente africano, que foi fonte de inspiração de BP para várias coisas, entre elas o aperto de mão escoteiro. Foi lá, também, onde nosso grande chefe viveu seus últimos dias.

Viajamos até Kandersteg, na Suíça para conhecer o jamboree permanente – uma oportunidade para relembrarmos nossos melhores momentos no escotismo! Encontros mundiais foi, também, assunto para West Virginia, onde o desafio foi conhecer distintivos dos jamborees mundiais e sonhar com nossa possível participação no próximo encontro, na Coreia do Sul. Cabo Canaveral foi cenário para praticarmos nossas habilidades artísticas com a reprodução da chegada do homem à lua (ou seria mais apropriado dizer, chegada dos escoteiros? *).

Capadócia na Turquia esteve no nosso roteiro para prestarmos nossa homenagem ao padroeiro dos escoteiros, São Jorge, que nos deixou um bonito exemplo: serviço ao próximo com empenho, dedicação e com o coração alegre. E na índia, fomos atrás da origem do jovem Kim, quem nos inspira a praticarmos nossas habilidades de observação.

Finalmente a aventura desembarcou no Brasil! Primeira parada em Matozinhos, Minas Gerais, e ali conhecemos a bravura do chefe Marcelo Diniz, reconhecido com a medalha Cruz de Valor Caio Vianna Martins em 2019. No litoral, na cidade de Antonina assistimos a história dos jovens escoteiros que fizeram uma grande jornada para defender sua cidade, tal como assumimos em nossa promessa escoteira. E a parada final: Curitiba, com a celebração da fraternidade escoteira entre cinco grupos escoteiros que celebraram a amizade em mais uma grande atividade escoteira.

O resultado da competição? Primeiro lugar para a “Fraternidade Escoteira”; o segundo para “Amamos o escotismo”; e o terceiro foi para “Quando será o próximo encontro?”

Nesse momento, que é muito delicado com toda essa situação que estamos vivendo, precisamos nos cuidar. Porém isso não impede de estarmos juntos (via internet, claro), até mesmo nas atividades escoteiras!

Então esperamos que todos estejam se cuidando e se protegendo, para que logo estejamos juntos novamente. J

Sempre Alerta!

Gostou tanto da atividade que gostaria de recordá-la? Assista as cerimônias de abertura e encerramento em:

https://www.facebook.com/escoteirospr/videos/659496441300297/

https://www.facebook.com/escoteirospr/videos/1244995659178381/

* Dos doze astronautas que até hoje pisaram na Lua, onze foram escoteiros.

GESD participa, pela segunda vez, da Meia Maratona de Curitiba 2020

Por Matheus Santana e João Vitor Gonçalves

A exemplo do que fizemos ano passado, no dia 09/02 as tropas escoteiras Titan e Senta a Pua, as Akelás das Alcateias Bagheera e Baloo e um dos mestres do Clã Pioneiro se reuniram para uma grande tarefa: animar e hidratar os corredores da meia maratona de Curitiba. No total, 28 pessoas do GESD participaram dessa atividade.

Nosso grupo de dividiu em dois pontos e o encontro ficou agendado para às 5h da manhã. A Titan se concentrou em frente à Unicuritba e ficou responsável pelo Posto 4 de hidratação (Rua Chile x R. Desembargador Westphallen) – ponto que coincidiu com a metade do percurso para aqueles que correram a meia maratona. Já a SAP se encontrou em frente à Clínica Veterinária Maestro e ficou responsável pelo Ponto 6 (Rua Guilherme Pugsley x R. Morretes).

Depois do lanchinho, nos preparamos para a chegada dos corredores. Nossa tarefa era simples (mas muito relevante): entregar os copinhos de água; garantir a limpeza do entorno, recolhendo o descarte dos atletas; e, possivelmente a mais importante, dar apoio moral para os corredores, animando-os a seguir com foco.

O que inicialmente parecia fácil, entregar a água, não foi tão simples assim. Recebemos, ao mesmo tempo, uma quantidade grande de atletas, que vinham correndo, com muita sede e desesperados por um copo de água. Somado a isso, com a velocidade e o desejo de não perder tempo, alguns copos acabaram caindo da nossa mão, explodindo no chão. Bem, podem imaginar que demos muitas risadas.

Foi uma atividade divertida! Uma grande oportunidade para divulgarmos o movimento escoteiro e ainda exercitarmos nosso compromisso de ajudar o próximo.

Sempre Alerta!

UEB convoca, e GESD apoia, campanha para desabrigados e desalojados de MG

Por Kaue Klingelfus Badia

O terceiro artigo da lei escoteira diz: “o escoteiro está sempre alerta para ajudar o próximo”. E foi justamente isso que fizemos após o chamamento da UEB Paraná (clique aqui para ler a notícia). As fortes chuvas do início do mês de fevereiro deixaram mais de 28 mil pessoas desalojadas em Minas Gerais. Mais de 4 mil ficaram sem suas casas.

Os escoteiros do Brasil ajudaram fortemente arrecadando alimentos, roupas e itens de limpeza para serem distribuídos aos afetados com as chuvas. A arrecadação do Paraná foi gigante pois muitos ajudaram. Ah, vale lembrar que as doações somaram pontos para os Jogos da Fraternidade, que vão acontecer no dia 24 de maio.

Tenho certeza de que todos os mineiros afetados deveriam estar precisando muito e ficaram super felizes em receber esses materiais. Para mim, que organizei uma campanha no meu prédio, junto com outros colegas que organizaram nos seus condomínios, foi uma boa oportunidade de praticar o escotismo, mas também de dar aquela esvaziada na casa tirando aquilo que já não usamos mais. Além do mais, foi importante para percebermos que outros precisam daquilo que temos em excesso.

GESD no JamCam 2020 – uma aventura inesquecível

O GESD participou com uma grande comitiva no JamCam 2020. Estivemos presentes com jovens nas tropas, com escotistas acompanhando os jovens e com muitos voluntários colaborando para o sucesso da maior atividade escoteira já feita no Brasil. E para contar como foi, vamos publicar três textos de quem esteve lá. Ah, não esqueça de clicar no link das fotos aqui! Como são muitas, não deu para publicar todas aqui. Boa leitura!

GESD no JAMCAM 2020 – um olhar dos jovens

Por Luana Pacheco Rodrigues da Cruz

JAMCAM! Um encontro de milhares de jovens, representantes de diferentes países, regiões, culturas, etnias e opiniões. Todos, porém, com um mesmo ideal: “deixar um mundo melhor para as próximas gerações”.

O 16º Jamboree Escoteiro Interamericano e 3º Camporee Escoteiro Interamericano ocorreu entre os dias 4 e 10 de janeiro. E não poderia existir lugar melhor para isso: uma das sete maravilhas do mundo, as Cataratas do Iguaçu e, junto com ela, a sua exuberante fauna e flora.

Só quem é escoteiro sabe as experiências e momentos vivenciados em uma semana de muitas aventuras e novos aprendizados. É inexplicável a felicidade de ter vivido esta experiência e cada um dos momentos como se fossem os últimos de nossas vidas. O calor, as noites mal dormidas, nada disso nos importou, já que a alegria e o espirito escoteiro foram maiores que qualquer dificuldade.

A criatividade escoteira também foi importante para que pudéssemos aproveitar ao máximo as atividades. O calor intenso foi amenizado com o simples uso do crachá que, em diversos momentos, se transformou em um ótimo leque. Está cansado? Qualquer canto foi utilizado para um cochilo rápido, o que garantiu que recuperássemos nossas energias para continuar as atividades… E assim conseguimos aproveitar mais os nossos dias, que passaram tão rápido, naquele templo sagrado.

Todas as atividades foram preparadas e pensadas com muito carinho para que pudéssemos, no dia a dia, nos tornarmos pessoas melhores.

As atividades noturnas, todas elas, foram incríveis e os momento de confraternização foram especiais. Sem dúvida serão lembradas para sempre.

De todo o aprendizado vivido e situações compartilhadas aprendemos que sempre teremos um amigo, um irmão escoteiro, por perto e com ele poderemos dividir nossos sorrisos ou nossas lágrimas.

Falando em amizade: muitas foram construídas no Jamcam. Qualquer lugar era lugar para conhecer alguém: na fila do banho, na fila das refeições, nas festas, nas confraternizações, nas atividades. O local realmente não importava, o que é realmente importante é que vamos lembrar com carinho de cada uma dessas pessoas, que trilharam conosco estes novos conhecimentos. Alguns vamos rever, já outros estão a milhares de quilômetros de distância, mas, como dizem, o que ficam são as memórias.

Então, ser escoteiro é muito mais do que ajudar as “velhinhas” a atravessar a rua ou vender biscoitos. Ser escoteiro é renascer a cada dia através de um novo aprendizado.

Ser escoteiro não tem explicação!

Só estando aqui dentro, para saber o que nós vivemos, o que nós sentimos.

É esperar o inesperado, e saber lidar com isso.

Ser escoteiro é força, é garra, é raça. Escotismo não se explica, se vive. Acima de tudo existe um laço chamado AMIZADE. Quem o possui é dono de uma riqueza sem fim….

GESD NO JAMCAM – um olhar dos voluntários

Por Tisa Kastrup, do Clube da Flor de Lis

Tic-tac, tic-tac. A contagem regressiva começa meses antes, às vezes até anos antes de um grande evento, seja ele nacional ou internacional. Jovens e adultos, novos no Movimento Escoteiro ou aqueles irmãos que já estão há décadas no ideal proposto por Sir Baden Powel, todos ficam ansiosos por um grande acampamento. E o JamCam Brasil 2020 não foi diferente.

O GESD participou com uma numerosa delegação de 54 jovens escoteiros e seniores, pioneiros, escotistas, coordenadores e equipe de serviço. Algumas inscrições foram feitas com mais de um ano de antecedência e planejamento é a palavra-chave para ir a um evento desse porte.

Como quase metade da delegação do GESD era composta por integrantes da equipe de serviço designados para as mais diversas funções, nosso ônibus partiu com três dias de antecedência a fim de nos deixar antes no campo. Enquanto isso, os jovens foram recebidos pelos irmãos do Grupo Escoteiro Guairacá em Foz do Iguaçu, para dois dias de passeios em sistema Ho-Ho (home hospitality) antes de seguirem ao JamCam. Foram os dois dias mais difíceis para administrar a ansiedade da garotada!

O tamanho e a organização do JamCam impressionam tanto quanto a variedade e a criatividade das atividades propostas nos módulos. Todos os jovens puderam participar de todos os módulos, em sistema de rodízio.

– Exploração da Natureza:

O cenário natural que motivou a escolha de Foz do Iguaçu para sediar o JamCam tornou-se figurinha carimbada em muitas selfies. Todos os participantes do evento, fossem jovens ou adultos voluntários em seu dia de folga (sim, ganhamos um dia de folga), tiveram oportunidade de conhecer esta maravilha da natureza: as Cataratas do Iguaçu. Os jovens partiam a pé do acampamento logo após o café da manhã, em curta jornada de 2 km pela mata e chácaras da região, até o Parque das Aves, refúgio de aves resgatadas do tráfico de animais silvestres e criadouro de espécies ameaçadas de extinção. Após a visita, embarcavam em ônibus fretados com guias turísticos locais e adentravam o Parque Nacional do Iguaçu, onde faziam a trilha panorâmica de 45 minutos pelas escadarias e passarelas das Cataratas. Na volta, relaxante parada para almoço (sanduíches, frutas, sucos e barras de cereal) e tchibum nas piscinas e toboáguas do Parque Thermas. Todos voltavam em ônibus ao final da tarde pois ninguém é de ferro.

– Energia:

Ofertando quase 50 atividades em terra, o módulo Energia ficava a 5 minutos do campo, para onde os jovens iam a pé, cruzando a Rodovia das Cataratas com a inestimável ajuda da Polícia Rodoviária Federal. Afinal, 1.500 jovens levam algum tempo para atravessar uma estrada e o bloqueio era imprescindível. Com o objetivo de motivar e desafiar as patrulhas, estas atividades criavam um ambiente estimulante, dentro de quatro tipos principais: jogos escoteiros tradicionais, atividades circenses, habilidades manuais e atividades de relacionamento. Com o sistema de entrega de chaves, as patrulhas escolhiam a atividade para qual desejavam ir. Arremesso de machadinha, cross scout, arqueria, fogo sueco, basquete na gangorra. Ao final, voltavam para escolher a próxima, conseguindo participar entre oito e 12 atividades num dia neste módulo, que tinha pausa para o almoço no Centro Escoteiro e terminava com um refrescante banho de caminhão pipa no fim da tarde, ótimo para tirar o excesso de lama!

– Splash:

Distante uns 20 km do Centro escoteiro, as calmas águas do Lago Itaipu ficaram vermelhas de tanto agito. Mais de 50 atividades desafiadoras à beira ou dentro da água foram oferecidas também pelo sistema de escolha de chaves, comandada pela Maderli e pelo Osmar Ponchirolli do GESD. Teve construção de embarcações, jogos aquáticos, boliche humano no sabão, corrida de botes e boias, cabo de guerra com água até a cintura e muita lama, que saía fácil nos mergulhos no lago. E dá-lhe protetor solar e chapéu para encarar o sol. Nas sombras do bosque próximo às margens, pausa para o almoço que era entregue também na forma de kit lanche, pois os jovens iam de ônibus de manhã e passavam o dia todo no ICLI – Iate Clube Lago de Itaipu, sob os atentos e cuidadosos olhares dos Bombeiros, da Marinha do Brasil e dos socorristas de plantão.

– Aldeia Interamericana de Desenvolvimento Sustentável:

As patrulhas participaram de atividades e oficinas dentro dos eixos temáticos: Ciência e Tecnologia, Arte e Cultura, Paz e Compreensão, Sustentabilidade e Saúde. O objetivo era propiciar aos jovens a descoberta das principais questões relacionadas ao desenvolvimento que o mundo enfrenta na atualidade, e assim compreender suas origens, consequências e o que a humanidade pode fazer para avançar. O foco principal foi dar aos participantes habilidades para atuar frente a essas questões em suas próprias comunidades. Educação financeira e empreendedorismo, tolerância religiosa, alimentação saudável e sem desperdícios, tecidos com cera de abelha, pontes sem pregos e sistemas de aquecimento de água via energia solar são amostras do que foi abordado na Aldeia, que ficava no entorno do Centro Escoteiro.

– Dia Interamericano:

As diferentes culturas dos 20 países presentes foram mostradas na Arena do Centro Escoteiro através de muita música, dança, folclore e comidas típicas. Cada país tinha seu estande e apresentava interativamente sua cultura. Os jovens puderam vivenciar a fundo o lema “diversidade que nos une” do JamCam durante a Feira das Nações. O estande do Brasil foi coordenado pelo GESD, através do Marcelo Margraf e da Isabela Oliveira. O Dia Interamericano terminou em uma grandiosa e animada festa, daquelas de sacudir o chão literalmente. Gostaria de ter mais informações e passar um relato mais detalhado sobre este dia, mas foi justamente a minha folga, que aproveitei relaxando por horas na piscina do Thermas, até enrugar a pele!

– Festa e diversão:

Além dos módulos, os jovens tiveram oportunidade de participar diariamente de Cerimônias e Atividades Noturnas (sim, teve muita festa no JamCam!) na arena central e também nos subcampos. Karaokê, folclore, dança, toda a criatividade era permitida, desde que o silêncio reinasse após as 23h já que escoteiro não dorme, escoteiro desmaia!

Já as Atividades Especiais, lideradas pela Larissa Terra do GESD, foram propostas para alegrar os momentos livres dos jovens desde a chegada aos subcampos. Sempre sobrava um tempinho entre o almoço e a saída do campo para um joguinho especial com a patrulha e os novos amigos.

– Comida e compras:

O refeitório fez o milagre de criar um “Madalosso” dentro de um acampamento, servindo diariamente mais de 24 mil refeições sempre de qualidade no café da manhã, almoço e jantar. Uma verdadeira maratona culinária que atendia inclusive celíacos, diabéticos, vegetarianos, veganos, alérgicos e intolerantes à lactose. Como o cardápio praticamente não variava, batia aquela vontade de se jogar numa guloseima. E bora encarar as filas na área comercial para gastar os trocados da carteira escoteira, valiosa contribuição da tecnologia na transformação de dinheiro virtual em potes de açaí, crepes e sorvetes reais. Isso sem contar na mega store de 1.000 m2 que a Loja Escoteira montou lá.

– Hospital:

Todos estamos sujeitos a imprevistos em atividades ao ar livre. Para todos eles, foi montado um hospital com 13 médicos, 6 dentistas, 30 enfermeiros, 40 socorristas (entre eles o Fábio do GESD), 3 ambulâncias de plantão (sendo uma delas UTI móvel) e 4 psicólogos no inovador Listening Ear, um canto para dar apoio emocional a quem precisava. Uma estrutura de fazer inveja a muito posto de saúde.

– Ahhh, mas já acabou?

Tudo isso culmina numa despedida pra lá de emocionada e emocionante. É um tal de chegar com o chapéu do Brasil e ir embora com o lenço do Peru, trocar um copo por um distintivo, levar um chaveiro e voltar com uma pulseira.

Vocês, pais que nos leem e nós, adultos voluntários, recebemos em agradecimento por tantas aventuras, novos amigos e muito conhecimento adquirido nestes dias inesquecíveis uma valiosa “paga” que vem em forma de sorrisos enlameados, abraços suados e lágrimas de felicidade, além de muita roupa suja pra lavar!

Prontos para começar a poupança para o próximo grande acampamento?

Minha Vida Escoteira

Por Helga Rozeira Zinher, do Clube da Flor de Lis

Estou no Movimento escoteiro desde os 17 anos, quando entrei já como assistente de alcateia. O JamCam Brasil 2020 foi o primeiro grande acampamento internacional da minha vida escoteira, embora tenha participado de algumas atividades regionais e distritais. E também da Conferência Interamericana, ocorrida em Curitiba em 1984 onde adultos do mundo todo participaram do encontro de planejamento do Movimento Escoteiro para as Américas.

Agora em 2020 tive a oportunidade, depois de 35 anos, de participar da minha 2.ª atividade internacional, o 16.º JAM 3.º CAM em Foz do Iguaçu. Foi uma experiência maravilhosa! Trabalhei na Equipe Internacional de Serviço na Aldeia Interamericana de Desenvolvimento Sustentável, onde participei da Oficina “Aproveitamento de Alimentos”. Lá os jovens aprenderam a fazer alguns alimentos salgados e doces, bem como sucos, usando ingredientes diferentes e aproveitando todo o alimento sem desperdício.

A oficina foi ministrada pela Pastoral da Criança, com a equipe das senhoras Regina, Karina, Leonilda e Sonia sob a coordenação da Marina. Foi um aprendizado incrível tanto com elas como com os irmãos escoteiros pois a convivência diária trouxe muito crescimento pessoal. As atividades transcorreram de maneira tranquila devido ao entrosamento da equipe da oficina e também pela brilhante atuação da coordenação local e geral das oficinas.

Também tive a oportunidade através deste evento de conhecer Foz do Iguaçu, o Parque das Aves, Thermas das Cataratas e as Cataratas, o que foi muito emocionante. Por fim, esta semana de atividade escoteira, conversas, baile, atividade na qual estive com irmãos escoteiros com quem tenho convivência direta, outros que revi e outros que conheci foi mais uma atividade incrível que deixou lembranças de cada momento.

E agradeço principalmente à Família Santos Dumont por poder participar deste movimento maravilhoso. Sempre Alerta!

Acamgesd – aventura que reúne toda a Família Santos Dumont

Por Isabel Carreira Ribeiro Proença de Moraes (lobinha); Marianna Kmecick da Matta (escoteira); Letícia Ponchiroli (guia); Paola Andrea Jaeger dos Santos (pioneira); Alexandra Negri Michels (mãe); Priscila da Paz Vieira (escotista); Milena Budant  Perottoni (escotista)

O Acamgesd é o grande acampamento anual do Grupo Escoteiro Santos Dumont, no qual os jovens de todos os ramos, escotistas, Diretoria, CFL e pais se reúnem para vivenciar de maneira muito especial momentos únicos de fraternidade, aventuras e animação. Neste ano o Acamgesd teve mais de 230 participantes, e foi realizado nos dias 15, 16 e 17 de novembro, na chácara Paraíso, em Balsa Nova.

Primeiro dia, sexta-feira:

Logo após a abertura, com hasteamento das bandeiras e entregas especiais, teve a organização dos campos por ramo, com a seguinte estrutura: o ramo lobinho acantonou, ficaram em alojamento. Os ramos escoteiro, sênior e pioneiro, acamparam separadamente. Os pais e o CFL ficaram em alojamento separado dos lobinhos. A alimentação para todos foi no refeitório do local e preparada pelos proprietários do local – excelente momento para confraternização.

Após a organização das seções e do almoço, começaram as atividades. Os jovens foram divididos em patrulhões e passaram por diversas bases que tinham como tema as 7 Maravilhas do Mundo. As atividades foram bem dinâmicas e conseguiram abranger todos os ramos. Foram desafios que fizeram com que os jovens de diferentes ramos se conhecessem melhor e trabalhassem em equipe.

Os pais foram recepcionados pelo Clube Flor de Lis – CFL e com ajuda dos jovens do Clã realizaram várias atividades, jogos, brincadeiras, disputa entre equipes, etc. O primeiro desafio foi formar patrulhas, dar nomes e escolher um monitor. Depois os monitores foram convocados para receber instruções para concluir uma determinada tarefa e eles tinham que passar para a patrulha essa mesma explicação. Foi uma excelente atividade de integração para os pais, pois através dela percebeu-se o quanto os jovens são desafiados dentro do movimento escoteiro a exercitar liderança, cooperação, autonomia, espírito de equipe, entre outros. Foi também uma oportunidade de conhecer um pouquinho mais sobre o trabalho lindo que o CFL realiza junto ao movimento escoteiro, atuando no planejamento das atividades sempre preservando a segurança dos jovens.

À noite, uma programação especial: a Festa dos Super-heróis (o tema do acampamento!). Música, dança e até um concurso de fantasias, que foi o ponto alto deste dia. Não teve quem não se divertiu!

O concurso foi organizado pelos pioneiros, muito experientes nisso (já que anualmente realizam a tradicional “Festa à fantasia). O concurso teve presenças ilustres como Aquaman, Pantera Negra, Mulher Maravilha, Batman, até um Ninja participou!

E não faltou criatividade: as fantasias estavam bem elaboradas, inclusive algumas foram preparadas pelos próprios participantes! As duas vencedoras ganharam um prêmio especial: sabonetes e cremes muito cheirosos!

Com tantos heróis na pista, e nenhuma briga Marvel vs. DC, pode-se afirmar que a festa foi um sucesso!

Segundo dia, sábado:

O alvorada foi às 7 da manhã (haja força para sair das barracas e dos beliches!!!) e após o café da manhã, todos participaram da atividade espiritual: momento para reflexão sobre empatia e a importância do cuidado uns com os outros. Vários bilhetinhos de agradecimento e reforço da amizade emocionaram a todos.

Então, é dado o sinal de início de mais um dia de aventura, que teve destaque para o Toboágua, possivelmente a atividade mais querida desse Acamgrupo!

Pela manhã, lobinhos e o clã foram para o toboágua. Os pioneiros e pioneiras se divertiram escorregando com os lobinhos, e inclusive os ajudando a descer, em duplas.

Escoteiros e sêniores tiveram a mesma oportunidade, no período da tarde. Até alguns pais corajosos participaram da aventura. Foi, para todos, um momento de vencer medos, ousar e se divertir.

O restante da programação foi realizada por seções. O que cada um fez?

As alcateias seguiram para mais uma tarde de jogos e atividades onde um vilão viajou no tempo e modificou a vida de Baden-Powell e de Rudyard Kipling, fazendo com que o movimento escoteiro e as histórias da Jângal nunca fossem criadas. Os lobinhos percorreram 8 bases conquistando as joias do infinito/ Jangal para no final derrotar o vilão, salvando o escotismo e a Jângal. Além de muito aprendizado, os lobinhos se divertiram bastante!

As tropas escoteiras, realizaram um torneio de Caetebol e Polo de Super-Heróis, foi uma oportunidade de entrosamento das patrulhas das duas tropas e muita competição! Escoteiro que se preze não foge da água, nem da lama, por isso, as atividades da tarde foram divertidas, com o Campo Mimado (uma cama de gato de atolar até os joelhos), o Jogo do Kim na água e o Rugby de Heróis.

O ramo sênior fez uma atividade no lago utilizando balsas que eles construíram com bambu e boias, onde puderam se divertir e fortalecer os laços de amizade das patrulhas e da tropa.

Os pioneiros, obviamente, não ficaram de fora destas aventuras. O Clã que esteve envolvido na coordenação geral do Acamgesd teve, também, seus momentos de diversão: destaque foi o futebol de sabão, o jogo cheio de água e espuma que sempre gera muita diversão. Impossível esquecer do disputado jogo de caetebol com a sênior. O jogo com bastões e bolinhas animou pioneiros, sêniores e guias. Pena que empatou!

Os pais ficaram livres para acompanhar as atividades específicas dos seus filhos e no final da tarde se reuniram para preparar a esquete que foi apresentada no Fogo de Conselho.

Já é tradição: na última noite de um acampamento tem o Fogo de Conselho. Trata-se de um momento de reunião e confraternização ao redor do fogo para contar histórias, brincar, aprender, apresentar nossas esquetes, cantar e etc. Segundo Marianna da Matta, “nesse ano o Fogo foi lindo pois teve até a participação dos pais e todos ajudaram a derrotar o anti-escoteiro e espalhar o bem”.

Os lobinhos envolveram a todos em uma visita a um Museu diferente: à noite as estátuas ganhavam vida, e após uma delas ser roubada, ajudaram a encontrá-la!

Os escoteiros interpretaram uma grande competição entre Marvel e DC. A tropa Sênior relembrou que todos escoteiros somos super-heróis todos os dias, quando vivenciam a promessa escoteira. Os pioneiros apresentaram uma esquete que contou com a ajuda de cinco lobinhos, que receberam uma missão altamente secreta e que só pôde ser atendida por verdadeiros super-heróis: o poder da imaginação pode transformar realidades, inclusive as realidades escoteiras. E o que dizer da apresentação dos pais? Uma linda homenagem a todos os escotistas e jovens: o verdadeiro super-herói está dentro de nós. “Foi uma experiência muito legal, pois a apresentação dos pais foi muito animada e tenho certeza de que nossos filhos ficaram muito orgulhosos vendo a nossa participação”, afirma Alexandra Negri Michels.

Definitivamente, as esquetes são um dos pontos mais divertidos para todos envolvidos! E o mais emotivo? A canção da despedida! E poderíamos dizer que já estamos ansiosos pelo novo encontro, ao redor do fogo, no próximo Acamgesd.

Mas nosso dia apenas concluiu após os Jogos Noturnos!

A atividade dos lobinhos foi preparada pelos monitores e submonitores das tropas escoteiras: as alcateias foram muito eficientes ajudando os escoteiros a recuperar suas forças que haviam sido roubadas pelos magos – mas não foi simples: afinal, o desafio era localizar os magos na ordem correta, indicada por cores.

Já a atividade dos escoteiros e sêniores foi preparada pelos pioneiros. Uma looooonga aventura (o descanso só foi à 1 da manhã!!!) que exigiu trabalho em equipe, habilidades escoteiras e animação.

Terceiro e último dia, domingo:

O último dia de atividade começou muito animado: com uma zumba matinal conduzida pela mãe Claudia Vianna. Foi muito divertido e engraçado, pois as coordenações motoras (ou descoordenações) ficaram explícitas!

E a última atividade foi a Gincana da Família GESD. As equipes de heróis (Família Marvel, Os incríveis, Liga da Justiça, entre outros) foram convocados para um grande treinamento. Corrida kryptonita; Desafio dos ODS; Localizando os heróis perdidos e o Desafio Tetris foram algumas das provas enfrentadas pelos competidores. O resultado final? Heróis unidos transformam o mundo em um lugar melhor – isso é o que fazemos com o escotismo.

Mais um grande acampamento ficará registrado na história do nosso Grupo! Como disse Isabel de Moraes, “a expectativa era de coisas incríveis” e o que vivenciamos foi maravilhoso.

A experiência para os pais foi emocionante, “não basta apenas seguir as atividades, os pais devem estar envolvidos no cotidiano escoteiro do seu filho e acompanhar o seu desenvolvimento. Obrigada CFL por proporcionar essa oportunidade aos pais!”, compartilha Alexandra Negri Michels.

Paola dos Santos reforça, “como todas as seções, o Clã definitivamente não se decepcionou com o Acamgesd. Todos se divertiram, ninguém se machucou (gravemente), e o acampamento de grupo superou as expectativas.

Marianna da Matta complementa que o “Acamgesd é uma oportunidade para fazer novos amigos, de todos os ramos, que poderemos levar para a vida toda.”

O negócio, agora, é aguardar a próxima edição do Acamgesd em 2020!!!

GESD esteve presente na 1a Aventura Regional Escoteira

Por Anna Julia de Almeida Silva

A Primeira Aventura Regional Escoteira, ARE, aconteceu na Praia de Leste nos dias 2 e 3 de novembro reunindo escoteiros e escoteiras de todo o Paraná. O GESD esteve representado pela Tropa Escoteira Senta a Pua, por meio da participação da jovem Anna Julia e da escotista Daniela Raicosk D’Agostin.

Contamos com a boa estrutura da Associação Banestado, tanto que alguns escoteiros acamparam e outros puderam acantonar nos alojamentos da Associação, que também ofereceu a alimentação dos escoteiros e chefes.

No primeiro dia, tivemos a abertura do evento com a presença do Diretor Presidente da UEB PR, Irineu Muniz de Resende Neto. Como propõe o método escoteiro, todos os monitores foram chamados para definir as atividades que suas patrulhas realizariam. Para as atividades, as patrulhas foram divididas em 2 equipes: a Laranja e a Verde. Como é fácil supor, a maioria estava animada para ir para a praia, então os chefes fizeram “Pedra, Papel, Tesoura” entre os monitores de cada equipe. Como consequência, a equipe Verde foi primeiro à praia. A equipe Laranja ficou fazendo as atividades de terra como por exemplo: dança, artesanato, protótipo de avião de isopor e as atividades do guia do ARE para conquistar a eficiência.

A atividade noturna foi um pique bandeira entre as equipes Laranja e Verde! Foi um momento para cantar, rir e fazer MUITAS novas amizades. (Mas todo jogo tem uma equipe ganhadora, neste caso a Laranja). Chegando ao final do dia, a chefia organizou um luau com músicas da atualidade (pop, funk, sertanejo), muito refri e a galera se divertindo demais. Ao final das atividades todos foram dormir: no alojamento em que eu fiquei dividimos os contrabandos e conversamos um pouco e só depois fomos descansar.

No segundo dia, acordamos às 6h da manhã. Havia chegado o tão esperado momento de a equipe Laranja ir à praia. Fizemos um aquecimento beira mar para todas as patrulhas e chefes, dançamos muito e em seguida começaram as atividades. Os jogos aquáticos contaram com um caça ao tesouro. A equipe Laranja não conseguiu achá-lo e acabamos caindo na água. Tinha gente “pegando jacaré” (indo junto com a onda), mergulhando e outras coisas. A equipe de segurança, composta por escotistas, foi extremamente confiável: cuidaram de tudo e olhavam tudo o que acontecia na água e fora dela.

Depois do almoço, tivemos o I.B.O.A (final da atividade) e a chefia do ARE fez uma homenagem aos jovens: um vídeo com os escoteiros realizando as atividades, conversando, rindo. Particularmente me emocionei… este momento significou o fim do ARE, infelizmente.  No entanto, todos se despediram e foram embora com um sorriso no rosto, novas amizades e muita história para contar.

O desafio que eu tive que enfrentar, foi participar de uma atividade na qual não conhecia ninguém. Além disso, fiquei com um Grupo Escoteiro que eu não conhecia. Mas ao longo da atividade me senti muito bem recebida pelo Grupo Escoteiro Eppinghaus. Foi uma experiência ótima!!!