Tropa Titan em Campo Largo

Por Arthur Guasque Carvalho

Entre os dias 15 e 17 de novembro (Feriado da Proclamação da República) a Tropa Titan do Grupo Escoteiro Santos Dumont acampou em uma chácara em Campo Largo. Com a participação de 23 jovens, fizemos atividades diversificadas e muitos interessantes.
Encontramo-nos às 8h do dia 15 no Terminal Campo Comprido e fomos de ônibus até a parada mais próxima da chácara. De ali, fizemos uma jornada de 2,5 km seguindo os sinais de pista: pena que apenas uma das bandeiras tenha sido resgatada (será que demos toda a atenção para alguns sinais?).

Chegamos, armamos acampamento e almoçamos.

De tarde fizemos várias atividades divertidas, entre elas a construção de uma catapulta em bambu e tivemos que montar uma maca usando bambu e cordas e levar um elemento de nossa patrulha para o outro lado do rio. O jantar foi especial, pois comemoramos o aniversário da Mariana Dambrós, atual monitoria da Águia, que ficou surpresa pela festa mantida em segredo. A comemoração terminou com uma incrível Balada Titan: com direito a música, dança e muitas risadas. Claro, acampamento sem jogo noturno não tem graça: fizemos dois jogos. Um deles consistia em apagar a vela das patrulhas adversárias com uma seringa de água. O outro, já tradicional na Titan, o Jogo 21.

A manhã seguinte (16) começou com alongamento e uma corrida para nos deixar bem dispostos e preparados para o dia. Após o café, fizemos atividades por bases:
1. Preparação do peixe com o Chefe Gus: nosso desafio foi preparar, temperar e assar um peixe.
2. Semáfora com Chefe Fernanda, onde nós aprendemos o alfabeto de sinalização com bandeiras vermelhas e amarelas.
3. Falsa Baiana sobre o Rio com o Chefe Fábio, Rafa e Gabo: a tarefa era atravessar o rio utilizando duas cordas.
4. Canções escoteiras e ideias para a esquete, com Chefe Pri. Montamos o roteiro para a esquete e descobrimos músicas novas.

Ainda teve cabo de guerra e buldogue no Rio!

A noite, claro, o Fogo de Conselho, que contou com ótimas esquetes sobre o nosso ano de atividades, músicas animadas e a despedida do Diogo e da Vick – que seguirão sua vida escoteira na sênior. Comemos marshmellow no fogo e rimos juntos (sem falar de chorar né?). E para fechar o dia intenso, ainda tivemos um jogo noturno, que se consistia no seguinte: Chefe Gus escolhia quatro voluntários e os deixava na floresta. Seu objetivo? Achar três pistas para fugir daquele lugar. Mas, o Chefe Gabo, que estava fazendo o papel de alien e escutava muito melhor que nós, humanos, nos perseguia se fizéssemos barulho – a audição aguçada foi desenvolvida por ser cego (seria uma preparação para o Acangesd de Terror?).

E chegou o último dia de acampamento (17): tivemos alongamento, atividade espiritual, onde escrevemos sobre nossos sonhos e o que queremos pra Tropa em 2019. Depois, fizemos a desmontagem de campo e retornamos para a Sede.

Notas do autor:

Entrei no Gesd este ano. Por uma decisão de família, o próximo ano não estarei mais em Curitiba. Mas gostaria de compartilhar um breve relato explicando como o escotismo me mudou este ano e porque ele é tão importante.

Primeira Razão: Amigos. Eu entendo até errado falar que eles são amigos, porque eles são, na verdade, a minha família. Antes de entrar no grupo, eu me sentia deslocado em cada canto que eu ficava, mas no grupo, com a Tropa, me sinto no meu lugar.

Segunda Razão: Formação. Desde o primeiro dia eu percebi que o escotismo é uma área onde formamos o caráter desde cedo, aprendendo coisas importantes para a vida adulta.

Terceira Razão: Apoio. Com o apoio de chefes, irmãos escoteiros e de todos os escotistas mais velhos que eu, consegui ter coragem de fazer coisas que nem sequer imaginaria fazer.

Agora, quero deixar bem claro que quando conquistar a Brownsea Island, gritarei Sempre Alerta para todos que me acompanharam durante este longo e incrível ano, de muitas risadas, lágrimas, suor, esforço, e o mais importante: Amizades.

Sempre Alerta!

 

Vem aí o AcamGESD 2018 – uma noite de terror!!

Se você tem medo ou coração fraco, melhor ficar em casa. Agora, se você curte altas emoções, o AcamGESD 2018 é o seu lugar.

Venha comemorar os 60 anos do GESD no acampamento que celebra o fim das atividades escoteiras do ano!! Será na Fazenda Thalia, nos dias 1 e 2 de dezembro, com atividades para toda a família.

Esperamos vocês lá! Fale com a chefia da sua seção e não perca esse grande evento!

GESD: Há 60 fazendo história

Por Maria Luisa Kovalhuk

Na sexta-feira dia 26 e sábado dia 27 de outubro, ocorreram, respectivamente, a sessão solene e o jantar dançante em comemoração aos 60 anos interruptos de atividades do nosso grupo escoteiro, Santos Dumont.
A sessão solene aconteceu em um auditório cedido pela FIEP e começou às 20 horas, com a entrada e saudação às bandeiras, o hino nacional e uma oração. Contou com presenças ilustres, como a do vereador Paulo Rink, que concedeu, em nome da prefeitura de Curitiba, o título de Utilidade Pública ao grupo; do presidente da União dos Escoteiros do Brasil (UEB) região Paraná, Irineu Muniz de Resende Neto, que nos concedeu o mérito regional; da orquestra dos meninos do Projeto Dorcas: Música nos Bairros, que nos encantou com sua incrível apresentação, emocionando a todos com sua última música, a “Canção da Despedida”; além da familia escoteira, que compartilhou suas histórias e recebeu certificados, dos mais jovens aos mais experientes, todos mostrando como contribuíram e fizeram parte da história do grupo.
O jantar dançante foi realizado no salão de festas da Igreja Orleans. A partir das 20 horas, os convidados foram chegando, em um clima de muita alegria e conversa, rememorando os bons momentos que passaram dentro do grupo. A cabine de fotos, aproveitada por todos, sempre tinha fila, que diminuiu apenas quando foi servido o jantar. Foram feitos pequenos discursos e homenagens, cantado parabéns ao grupo e para o nosso presidente, Marcelo Margraf, que comemorava mais um ano de vida naquele mesmo dia, e, enfim, servido o bolo, ricamente decorado e, posteriormente, aprovado por todos. Então, ao som de uma banda ao vivo, todos foram convidados a dançar.
A sessão solene e o jantar foram exemplos de atividades bem sucedidas que tivemos durante o ano todo para comemorar nosso aniversário. E, para fechar o ano com chave de ouro, esperamos com anseio o Acamgesd dos 60 anos.

Confira a galeria completa de fotos clicando aqui.

Entrega do certificado de Utilidade Pública pelo vereador Paulo Rink ao diretor-presidente do GESD, Marcelo Margraf.
Diretores Luis Gobbo, Mariovani Cervi e Marcelo Margraf recebem o Diploma de Mérito Regional do diretor-presidente da UEB-PR, Irineu Rezende.
Banda de Metais do Projeto Dorcas.

Que tal um pouco de arte no feriado?

Por Bruna Pioli

Depois do trágico incêndio ocorrido no dia 2 de setembro de 2018, que atingiu o Museu Nacional no Rio de Janeiro, fica visível a negligência e o desinteresse do governo e de boa parte da população com o patrimônio histórico e cultural brasileiro. Por esse motivo, é importante incentivar as crianças, jovens e adultos da comunidade escoteira a descobrir os museus e teatros de suas cidades. Abaixo, uma lista de alguns espaços culturais que merecem uma visita em Curitiba (inclusos museus de artes visuais e teatros). Aproveite que no dia 02 de novembro, apesar do feriado, muitos museus estarão abertos!!

Museu Alfredo Andersen
End: R. Mateus Leme, 336 – São Francisco, Curitiba – PR, 80510-190
Horário: 10h às 16h

Museu Metropolitano de Arte de Curitiba
End: Av. República Argentina, 3430, Terminal do Portão – Portão, Curitiba
Horário: 10h às 19h

Museu de Arte Contemporânea do Paraná
End: R. Des. Westphalen, 16 – Centro, Curitiba – PR, 80010-110
Horário: 10h às 16h

Museu de Arte Sacra
End: R. Dr. Claudino dos Santos, 49 – Largo da Ordem, Curitiba – PR, 80020-170
Horário: entre terça e sexta-feira das 9h às 12h e 13h às 18h / sábado e domingo das 9h às 14h.

Museu de Arte Indígena
End: Av. Água Verde, 1413 – Água Verde, Curitiba – PR, 80620-200
Horário:10h às 17:30 (fechado aos sábados e domingos)

Museu de Arte da UFPR
End: Rua XV de Novembro, 695 – Centro, Curitiba – PR, 80020-310
Horário: 09h às 18h (fechado aos sábados e domingos)

Museu Oscar Niemeyer
End: R. Mal. Hermes, 999 – Centro Cívico, Curitiba – PR, 80530-230
Horário: 10h às 18h (fechado as segundas)

Memorial de Curitiba
End: R. Dr. Claudino dos Santos, 79 – São Francisco, Curitiba – PR, 80020-170
Horário: entre terça e sexta-feira das 9h às 18h / sábado e domingo das 9h às 15h.

Teatro Positivo
End: R. Prof. Pedro Viriato Parigot de Souza, 5300 – Campo Comprido, Curitiba – PR, 81280-330

Teatro Fernanda Montenegro
End: Shopping Novo Batel – Alameda Dom Pedro II, 255 – Batel, Curitiba – PR, 80420-060

Teatro Lala Schneider
End: R. Treze de Maio, 629 – Centro, Curitiba – PR, 80020-280

Paiol
End: Praça Guido Viaro, s/n – Prado Velho, Curitiba – PR, 80215-000

Tropa Senta a Pua realiza Acampraia em São Francisco do Sul

Por Anna Julia Silva

Entre os dias 11 e 14 de outubro, a Tropa Senta a Pua foi acampar em São Francisco do Sul, em Santa Catarina. Este Acampraia teve várias atividades criativas e divertidas, como os jogos na Praia do Forte como competição de bets, frisbees, música e dança. Também tivemos várias brincadeiras no mar, que mesmo com a água gelada, foram bem legais.

Na noite do dia 12, a chefia fez uma surpresa: uma festa especial pelo Dia das Crianças! Teve música, luz colorida e (muitos) doces. A playlist da festa foi construída pelos escoteiros da Tropa. Todos adoraram!

No último dia de acampamento a tropa subiu até o Forte Marechal Luz, que fica em cima do morro. Seguiram em caminhada de quase 2km, cuidando uns dos outros, conhecendo a história desta construção de mais de 100 anos, vendo os canhões antigos que serviam de proteção ao porto, curtindo o mirante e tirando muitas fotos. E, claro, se cansaram muito!

Tanto na ida para o acampamento, quanto na volta para casa a galera não desanimou e se divertiu bastante. Teve chuva, teve sol, teve sorvete e até uma promessa na praia! Alívio e alma limpa de quem foi acampar! “O Acampraia da SAP foi legal e mesmo com a chuva deu para aproveitar bastante; O forte foi legal porque deu para conhecer muito sobre as guerras que aconteceram no Brasil”, conta a escoteira Alice de Souza Rocha.

Alcateia Bagheera faz treinamento contra incêndios

Por Mariana de Castro Estevam

A Alcateia Bagheera fez no dia 21 de outubro uma atividade especial de treinamento contra incêndios e atendimento de primeiros socorros. A atividade foi uma escolha dos lobinhos e foi realizada no Padilha Centro de Treinamento Padilha, local de treinamento para brigadistas e bombeiros localizado no bairro Guatupê, em São José dos Pinhais.
Lá nos fizemos várias atividades que o chefe Padilha faz para ensinar bombeiros. No caso dos primeiros socorros, nós aprendemos como fazer a assepsia de ferimentos e também a fazer a manobra de Heimlich. Essa manobra eu achei bem legal, pois ela é muito útil se algum lobinho ou vizinho estiver engasgado e afogado, a manobra faz a pessoa voltar a respirar.

Na parte de combate a incêndios, nós aprendemos a mexer com mangueiras e extintores. Teve uma instrução em que o Padilha colocou fogo em um barril com gás e nós tivemos que apagar. Primeiro cada lobinho pode agir usando um extintor, depois todos se juntaram para usar a mangueira. E também entramos em uma Casa de Fumaça, que é um lugar que simula uma casa pegando fogo. Isso foi para aprendemos como nos locomover caso estejamos em um lugar com fogo de verdade.
No fim da atividade, nós fomos batizados, que é como eles fazem com as pessoas que terminam o curso de treinamento. Veja o vídeo da matéria, nos ficamos bem molhados!!! E depois nós demos o grito do grupo e eles cantaram uma música dos bombeiros. Eu achei a atividade muito bacana e importante, pois agora os lobinhos sabem como agir e ajudar se virem alguém engasgado! E a turma do Padilha foi bem legal com a gente.

Melhor Possível!

O batismo da Alcateia Bagheera

Pioneiras participam de programa de prevenção aos acidentes de trânsito

por Maria Luísa Kovalhuk e Sophia Anna d’Haese Roennfeldt

O clã pioneiro é guiado pelo seu lema: servir. E foi por esse espírito que o Clã Pioneiro Santos Dumont foi convidado a participar do Road Show. O Road Show é um programa educacional de segurança viária, estruturado por meio de uma apresentação teatral. O evento, surgido na Espanha, acontece em diversos países da América do Sul. No Brasil, o programa é desenvolvido desde 2014.
O evento, que geralmente é apresentado para calouros de universidades, inicia com a encenação de uma festa, na qual há uma conversa entre o DJ e um jovem condutor embriagado. Em seguida, começa o programa propriamente dito. É mostrado um vídeo, que contém cenas de acidentes de trânsito, e é intercalado por depoimentos de socorristas, policiais, bombeiros e profissionais da área da saúde. Por fim, o Road Show conta também com o depoimento de um sobrevivente e de uma mãe que perdeu seu filho em um acidente de trânsito.
Valendo-se do seu lema, nos dias 08 e 14 de agosto 2018 na FAE de Curitiba e no SESI de São José dos Pinhais, as pioneiras Maria Luísa Kovalhuk e Sophia Anna d’Haese Roennfeldt se voluntariaram a participar do evento atuando no papel de jovens condutoras.
Essa experiência possibilitou às jovens se conscientizarem a respeito de atitudes a serem tomadas no trânsito, além de proporcionar uma ótima experiência de apresentação em público. Cientes do cenário atual de acidentes de trânsito no Brasil, as pioneiras consideram o Road Show um programa que deve ser expandido, para atingir mais pessoas.

Tropa Titan “invade” a Ilha do Mel

Por Izabella Güther Camati de Oliveira

Entre os dias 11 e 14 de outubro de 2018, a Tropa Titan foi conhecer um dos lugares mais bonitos do Paraná, a Ilha do Mel. O AcamIlha teve como base a pousada Fragata, na Vila das Encantadas. Além dos jovens e da chefia da tropa, também participaram da atividade o escotista Gilvan Koza, da Diretoria do GESD, e duas mães de apoio, uma delas a escotista Mila, da Alcateia Kaa.

Encontramo-nos na sede do GESD às 21h do dia 11 (quinta-feira) e ao amanhecer do dia 12 partimos em direção a Pontal do Paraná, onde pegaríamos a barca para a Ilha do Mel. Após desembarcarmos na ilha, montamos o campo e almoçamos. Em seguida fomos conhecer o território. De tarde fizemos atividades por patrulha desenhando o percurso de Gilwell até a Gruta das Encantadas (onde infelizmente algumas patrulhas não conseguiram entrar devido à maré alta). Aproveitamos então para tirar fotos e aproveitar a paisagem. Nossa atividade noturna foi doce, se assim me permitem dizer. Saímos para tomar sorvete e conversar e refletir sobre nosso começo de acampamento.

Sábado acordamos cedo para conhecer o Farol das Conchas. Construído por Dom Pedro II, o farol é feito de ferro fundido e tem uma altura de 18 metros. Todo o material do farol veio de Glasgow, Escócia. Ele orienta os navegantes através de seu piscar desde 1º de abril de 1872. A tarde fizemos diversas atividades na praia e então aproveitamos o mar.

Ao anoitecer nos preparamos para a Lamparada, pois é proibido fazer fogueiras na Ilha. Foi provavelmente uma das melhores de que já participei, todos juntos, rindo e se divertindo muito. As esquetes refletiam bem o clima da ilha, um lugar bonito, tranquilo, divertido e feito para satisfazer todas as idéias de lazer. Sinto em meu coração que a união entre todos nós foi fortalecida.

Domingo fomos para o culto (momento de reflexão na manhã do último dia de acampamento). Nele discutimos o poder das palavras sobre nós. Depois arrumamos nossas coisas para partir, mas com o pensamento de que com certeza voltaremos lá. E que quando voltarmos, lembraremos de cada momento vivido nesses três dias.

Acampar é uma experiência única, não existe nada igual. São nesses momentos que nos desconectamos do mundo para curtir um pouco a nós mesmos, nossos amigos e a natureza. Cada acampamento é dono de uma sensação única dentro de nós, não trocaria isso por nada desse mundo!

GESD participa do MutCom 2018 com diversas atividades

Por Laura Pioli, Tropa Titan

O Mutcom – Mutirão Nacional Escoteiro de Ação Comunitária, é uma atividade comunitária realizada por vários grupos escoteiros no país durante o mês de setembro.

Todas as seções do Grupo Escoteiro Santos Dumont realizaram atividades para o Mutcom nos dias 15 de setembro e no dia 29 de setembro. Vamos conhecer o que eles fizeram.

A Alcateia Bagheera realizou atividade baseada no Projeto da Insígnia de Boa Ação da lobinha Sofia Monteiro Pimentel. O projeto visou coletar itens para doar para o Lar Infantil Sol Amigo. Para isso, eles fizeram plantão de arrecadação em dois mercados: um no Bairro Portão e outro no Uberaba.

Para a alcateia, participar da atividade é importante porque é uma oportunidade para realizar uma boa ação grande e que promove impacto para muitas pessoas. Além disso, pensar que estas ações estão sendo feitas simultaneamente no Brasil inteiro faz com que se sinta o espírito escoteiro.

Querem saber o resultado? No total, 1312 itens foram arrecadados! A Sofia esperava arrecadar 200 itens e o resultado final foi 6,5 vezes maior do que a expectativa!!! 903 litros de leite; 233 achocolatados; 165 itens de higiene e 11 alimentos em geral.

Alcateia Bahgeera

A Alcatéia Kaa aproveitou a Campanha do Setembro Amarelo e foram ao Mercado Municipal de Curitiba distribuir corações amarelos com elogios e palavras de carinho, incentivando que as pessoas fizessem o mesmo.

Para eles, realizar esta atividade foi importante pelo envolvimento do Grupo Escoteiro com a comunidade e o Mutcom é uma ótima oportunidade para isso.

O resultado da atividade foi positivo: os lobinhos gostaram muito, mesmo que estivessem um pouco tímidos no início e com medo da reação das pessoas! Foram distribuídos mais de 200 corações. E na avaliação eles chegaram a conclusões como: “as pessoas não estão acostumadas a receber elogios, não precisamos gastar muito ou nada para fazer a outra pessoa sorrir, sem contar os muitos elogios que eles receberam dos visitantes do mercado!”

Alcateia Kaa

A Alcateia Baloo se uniu para espalhar solidariedade em um tema tão importante como o Setembro Amarelo. Eles se dividiram entre os mais novos e os mais velhos. Os lobinhos maiores espalharam sensibilização sobre transtornos mentais, explicando esse tema delicado para as pessoas e a importância de se olhar com seriedade para as doenças mentais. Já os lobinhos mais novos conversaram com as pessoas para saber se elas são felizes e se conhecem pessoas tristes. E com um gesto simples, um ABRAÇO, transmitiram sua mensagem!

Para eles, o Mutcom é uma das atividades dentro do movimento que mais se alinham ao seu propósito. O Mutcom traz assuntos muito importantes e necessários para se trabalhar com os jovens, hoje em dia. Possibilita que abram seus olhos para a comunidade e suas carências. E se não bastasse, prova aos lobinhos que eles são capazes de fazer a diferença e impactar o mundo que os cerca.

E o resultado? Para os lobinhos foi muito importante desenvolver o lado afetivo, conhecendo e ensinando aos outros o poder das pequenas atitudes.

A Tropa Senta a Pua realizou um mutirão no Colégio Julia Wanderley, recolhendo o lixo, limpando, pintando nossa sede e revitalizando os espaços.

Os escoteiros consideram o Mutcom uma atividade de grande impacto, já que ocorre em todo o país. É uma chance de divulgar o movimento escoteiro e de tornar possível um dos objetivos da tropa: “ser relevante para a comunidade que nos cerca”.

O resultado de todo o trabalho, todos nós pudemos comprovar com a sede bem organizada e limpa após o Mutirão.

Senta a Pua
Senta a Pua em ação

A Tropa Titan, minha tropa escoteira, somou esforços ao projeto da lobinha Sofia Monteiro Pimentel. Nos concentramos no mercado Carrefour das 10h às 15h e conversamos com os clientes convidando a que se somassem à campanha de doações para o Lar LISA.

Para nós participar do Mutcom é uma chance de contribuirmos de alguma forma com a comunidade. Ajudando o próximo estamos criando um mundo mais próspero e melhor, e este é um dos ensinamentos de B.P. Além disso o engajamento da tropa com essa atividade desperta nos jovens o espírito de cidadãos comprometidos com a comunidade local.

O resultado foi surpreendente: tivemos um imenso apoio dos clientes do mercado e de toda a nossa tropa. Arrecadamos um total de 480 litros de leite, 159 achocolatados, 99 itens de higiene e 8 alimentos em geral.

Tropa Titan
Alcateia Bahgeera e Titan na entrega das arrecadações ao Lar Lisa

A Tropa Sênior Pico Paraná realizou uma atividade em conjunto com a Tropa Sênior Ereima do GE Santa Mônica. Eles foram à Escola Municipal Enéas Marques dos Santos e: pintaram alguns muros, bancos de concreto na quadra e também pilastra. Por fim arrumaram, instalaram e pintaram os pneus ao redor da quadra de areia. Infelizmente a chuva, no período da tarde, atrapalhou os trabalhos e eles ainda terão que voltar lá para terminar.

Para as guias, sêniores e escotistas duas razões justificam a participação de todos no Mutcom: a primeira é que ao fazer a Promessa, nos comprometemos a cumprir nossos deveres para com o próximo. Em segundo lugar, o escotismo quer jovens responsáveis e que transformem a sociedade –  nada melhor para isso que este projeto na escola.

O resultado? Jovens que gostaram muito da atividade e que se sentiram úteis para a comunidade.

Tropa Sênior Pico Paraná

O Clã Pioneiro Santos Dumont também participou da atividade realizando doação de sangue na Santa Casa. Para os pioneiros participar no Mutcom é importante porque atividades comunitárias em seção incentivam os jovens a fazer mais atividades desse tipo. Todos que foram liberados pelos médicos doaram sangue e quase todos se registraram para doação de medula óssea.

Clã de Pioneiros Santos Dumont

Após conhecer o árduo trabalho dos escoteiros do Grupo Santos Dumont, agora é sua vez de participar. Não é difícil, só precisa tentar!

Agradeço a todos que me ajudaram a escrever esta matéria, respondendo a minha entrevista (chefes Isadora, Mila, Paulo, Anandha, Gustavo, Kleber e a pioneira Sophia).

Acelpar e a Tropa Titan fazem atividade em conjunto

Por William Kalluf Neto

No dia 29 de setembro, a Tropa Titan participou de uma atividade com crianças e jovens celíacos ligados à Associação dos Celíacos do Paraná (Acelpar), no Parque São Lourenço. Os celíacos são intolerantes ao glúten e, por isso, devem cuidar muito da sua alimentação. A atividade foi muito legal e os escoteiros prepararam um momento muito divertid0. Contamos com o apoio do CFL, alcateias Kaa e Bagheera.

O nosso desafio era mostrar um pouquinho do nosso dia-a-dia no escotismo e o que nós escoteiros fazemos. Nós corremos e nos divertimos muito! Fizemos dois grupos: um com crianças com idade de lobinho e outro com jovens com idade de escoteiro (misturamos os jovens celíacos nas nossas patrulhas). Os lobinhos passaram por uma falsa baiana, brincaram na cama de gato, aprenderam músicas escoteiras e “resgataram” filhotes perdidos. Nós escoteiros participamos de uma corrida de orientação e ainda tivemos que responder desafios sobre o escotismo e sobre a doença celíaca.

Nossa atividade terminou com um piquenique sem glúten e todos bem cansados. Mas já estamos prontos para outra atividade de divulgação do nosso Grupo!